Associação repercute áudio de sargento e diz que policiais foram usados em condições de trabalho “análogas à escravidão”

5
Comentários
  1. WALTER ELY DA SILVA disse:

    HÁ COISAS QUE SÓ VEEM CLARAMENTE C0OM OS OLHOS QUE CHORAM”MAS,COMO ESTOU COM CATARATA NÃO VEJO CLARAMENTE .SÓ CHORO. CO9M ESTE DESPREZO QUE O GOVERNO IMPÕE AOS BRAVOS POLICIAIS MILITARES.

  2. Atividade fins não seria para os Militares de QPM COMBATENTE? E atividade-meio seria para os Militares da GMR? ALGUÉM poderia mim explicar? A Polícia Militar poderia esclarecer esse questionamento? Se o militares da GMR estão empregados em atividades FINS, não deveria ser pago a mesma REMUNERAÇÃO que é pago aos militares de QPM COMBATENTE da ATIVA?

  3. Soares disse:

    Nos PM dá Paraíba tamos passando fome, quando agente precisa do estado ele junto com o governo e nosso comandante geral virá,as costas pra gente reformado

  4. Pedro Martins disse:

    O comandante ganhando seus sofridos 27.000,00 pratas, vaí se preocupar com um velhinho em riba de uma guarita?

  5. Soares Venceslau disse:

    Vergonha mexer com um policial desse: cansado, stressado e sofrido. Poderia deixar esse cidadão em paz, que contribuiu por 30 anos e ainda querendo ajudar na reserva vive uma situação dessa. Dessa forma absurda e humilhante perdemos um major no sexto batalhão. A crise tá grande da capital a Cajazeiras, o que não falta são coletes e munições vencidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *