AINDA A DECISÃO DE GILMAR… Deltan lamenta transferência de ação penal de Ricardo Coutinho pro Eleitoral e elogia trabalho de Octávio

Segue rendendo uma recente e polêmica decisão do ministro Gilmar Mendes, relator da Operação Calvário junto ao Supremo Tribunal Federal, de anular uma das ações penais contra Ricardo Coutinho, que tramitava na 3ª Vara Criminal, para que ele seja julgado pela Justiça Eleitoral.

Primeiro, o promotor Octávio Paulo Neto, coordenador do Gaeco, lamentou a decisão e sugeriu que ele poderia “fomentar a impunidade”. Na sequência, A procuradora Cláudia Sampaio (Procuradoria Geral da República), ao recorrer da decisão, pontuou: “Longe de configurar corrupção eleitoral ou falsidade eleitoral, tipifica o crime de corrupção comum, do Código Penal”.

Agora, o procurador Deltan Dallagnol, em entrevista à Rádio Arapuan, afirmou: “Isso abre brecha para que os todos os processos sejam anulados uma vez que a Justiça Eleitoral não tem competência para julgar crimes de corrupção e isso que vem acontecendo em todo o Brasil.”

Quanto ao trabalho de Octávio Paulo Neto, Deltan disse: “Eu tive o privilégio e honra de conhecer o promotor Otávio ao longo da Lava Jato. É uma pessoa extremamente dedicada. Ele sempre agiu com muita inteligência e imparcialidade nas ações de investigação da  Operação Calvário e representa mais um braço do Ministério Público no combate a corrupção“.