AS BOAS NOTÍCIAS Queiroga anuncia vacinação de adolescentes em setembro e o País exportador de imunizantes a partir de 2022

A boa notícia da manhã desta quarta (dia 28) vem de Brasília: o ministro Marcelo Queiroga (Saúde), que adolescentes de 12 a 17 anos serão incluídos no PNI (Plano Nacional de Imunização) contra a covid-19. Queiroga também sinalizou que o Brasil deve se tornar, a partir do próximo ano, exportador de vacinas para o mundo.

Segundo Queiroga, a inclusão será iniciada após envio da primeira dose para a vacinação de adultos com mais de 18 anos. Adolescentes com comorbidades serão os primeiros a serem imunizados. A vacinação deve ocorrer a partir de setembro e com a vacina da Pfizer.

Também foi definido que, após a distribuição da primeira dose dos imunizantes para todo o país, o Ministério deve decidir sobre a antecipação do intervalo entre as duas doses da Pfizer, que, atualmente, é de 90 dias. Na bula do fabricante, o intervalo é de 21 dias.

A redução é estudada para acelerar a imunização diante do crescimento dos casos de pessoas infectadas com a variante delta do vírus da covid-19.

Arrematou Queiroga: “Nossa expectativa é atingir a população acima de 18 anos vacinada até o começo de setembro. A partir daí, vamos discutir a redução no intervalo da dose da Pfizer, assim a gente avançaria com a segunda dose em um número maior de pessoas e também os abaixo de 18 anos.”

Vacinas – De acordo com o ministro, o País deve, não apenas se tornar independente de vacinas, mas até se tornar exportador, a partir da implantação de uma planta de produção de imunizantes, inclusive de IFA (princípio ativo).

O plantel de vacinas incluem vacinas desenvolvidas pela Fiocruz (AstraZeneca), que passa a ser produzida integralmente no País, a partir de setembro. Além da Fiocruz, também o Butantan, com a ButanVac, e outras vacinas em desenvolvimento por universidades do País.

Com isso, o País vai estar no patamar de países produtores como China e Índia.