CALVÁRIO NAS TELAS Documentário sobre Márcia Lucena com críticas ao Gaeco e à sua prisão será lançado nesta quinta



 

Chamou a atenção da praça uma notícia, veiculada pela assessoria de Márcia Lucena, dando conta de lançamento, na noite desta quinta (dia 25), do documentário “Calvário”. A exibição ocorrerá na sede do Sindicato dos Bancários, com entrada franca e Márcia deverá estar presente.

Segundo o diretor e cineasta Bertrand Lira, o documentário de 37 minutos traça um perfil da ex-prefeita do Conde, presa em dezembro de 2019 e monitorada pela Justiça, desde fevereiro de 2020, relatando tudo o que tem passado em consequência da Operação Calvário.

Diz uma nota dos organizadores que o documentário “relata o sofrimento infligido a ela, injustamente, pelas ações da Operação Calvário”.

O documentário também aponta que “várias ações judiciais foram oferecidas contra Márcia Lucena, como se uma metralhadora estivesse disparando contra ela, sem provas ou indícios robustos das acusações… Fora do processo judicial, percebe-se campanha de alguns veículos de comunicação destinada a condená-la perante a opinião pública“.

De acordo com o grupo Liberta, engajado na libertação de Márcia e responsável pela organização do evento, os espectadores devem apresentar a comprovação de vacina. No próximo sábado, o documentário será exibido na TV 247 acompanhado de entrevistas com Bertrand Lira e Márcia Lucena.

Calvário – A ex-prefeita Márcia Lucena é apontada pelo Gaeco como uma das peças de engrenagens do esquema fraudulento desbaratado pela Operação Calvário, responsável pela desvio milionário de verbas dos cofres públicos paraibanos, usando especialmente organizações sociais.

Segundo as investigações, Márcia chegou a receber, através de seu esposo, propina para utilizar em sua campanha à prefeitura do Conde.

Márcia acabou presa em dezembro de 2019, com a 7ª fase da Operação Calvário, juntamente com o ex-governador Ricardo Coutinho e 15 outros integrantes da Orcrim. Posteriormente, foi liberada, mas passou a usar tornozeleira, além de cumprir outras medidas cautelares impostas pela Justiça.