ESCÂNDALO NO MEC Ex-ministro Milton Ribeiro é preso em operação da Polícia Federal

A Polícia Federal não dá trégua a suspeitos de corrupção. Na manhã desta quarta (dia 22), cumpriu mandado de prisão contra o ex-ministro Milton Ribeiro (Educação), além dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, suspeitos de operações fraudulentas na liberação de verbas do MEC para prefeituras, dentro da Operação Acesso Pago.

Ao determinar a prisão dos suspeitos, o juiz federal Renato Borelli citou a prática dos crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. O ex-ministro foi levado para a Superintendência da Polícia Federal em Brasília, e terá audiência de custódia ainda na tarde desta quarta-feira.

Além do mandado contra o ministro, foram cumpridos outros 13 mandados de busca e apreensão e outros quatro mandados de prisão, distribuídos pelos Estados de Goiás, São Paulo, Pará e Distrito Federal. Além disso, também foram determinadas medidas cautelares, como a proibição de contatos entre investigados e envolvidos.

Investigações – Os policiais basearam a investigação em documentos, depoimentos e no “relatório final da investigação preliminar sumária” da   da União. Segundo a PF, “foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas públicas”.

Pra entender – Tudo começou quando um áudio obtido pela Folha de São Paulo” e em reportagens do O Estadão, o ex-ministro Ribeiro é envolvido no que seria um esquema de favorecimento a pastores na pasta.

Em uma conversa gravada, Ribeiro sugere que a liberação de verbas da pasta fosse direcionada para prefeituras específicas a partir da negociação feita por dois pastores evangélicos que não possuem cargos no governo federal.

Na gravação, Ribeiro diz que se trata de “um pedido especial do presidente da República”. “Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar”, diz o ministro na conversa com prefeitos e outros dois pastores, segundo o jornal.

Ribeiro continua: “Porque a minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, em segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar.”

Os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura são os citados nos áudios e participaram de negociação com prefeituras para a liberação de recursos federais para obras em creches, escolas e compra de equipamentos de tecnologia.

Já o atual ministro Victor Godoy (Educação) afirmou, nesta quarta-feira, que mandou suspender todos os repasses da pasta que estão sendo investigados.