INCÊNDIO NO PT Charlinton, Anastácio e Anísio poderão ser punidos por criticarem filiação de Ricardo Coutinho e Cartaxo

Segue a rebelião na base do PT, especialmente entre históricos do partido. Após anunciar a desistência de disputar o Senado, o ex-presidente Charlinton Machado (ele e outros) lamentou não ter sido ouvido sobre a decisão do partido em filiar o ex-governador Ricardo Coutinho e o ex-prefeito Luciano Cartaxo.

Comentários em círculos do partido relatam especulações indicando que os rebeldes do partido, como Charlinton e os deputados Frei Anastácio e Frei Anastácio, além do advogado Anselmo Castilho poderão sofrer punição, por terem criticado a filiação do ex-governador,

Na ocasião, afirmou Charlinton: “Fomos surpreendidos pela maneira impositiva e, porque não dizer, autoritária, em que ocorreram as filiações de nomes como o ex-governador Ricardo Coutinho e do ex-prefeito Luciano Cartaxo, sem qualquer diálogo com a maioria da direção partidária estadual e, especialmente, com a nova aguerrida militância“.

Em 35 anos de vida com dedicação à construção partidária, não podemos mais esconder a decepção com os recentes retrocessos partidários, em particular, o esvaziamento das instâncias dos debate… ao mesmo tempo, assistimos perplexos aos esforços em punir valorosos companheiros que dedicaram sua vida à construção do partido”, arrematou.

Senado – Há poucos dias, Charlinton havia postado em redes sociais sua desistência de disputar o Senado: “Diante da óbvia constatação de que a direção nacional do PT continuará recusando efetivamente a debater com profundidade uma tática política com a maioria da direção estadual e militância do PT da Paraíba, preferindo assim optar por escolher que acomodem interesses e projetos individuais de alguns caciques políticos recém filiados ao partido, reconhecemos que exauriu-se por inteiro a motivação e a razão de continuar lutando por uma pré-candidatura ao Senado.”