PENSAMENTO PLURAL Apesar do PT-PB, Amanhã há de ser Outro Dia, por Anselmo Castilho

Em artigo publicado, originalmente, pelo portal wscom, Anselmo Castilho diz ser “vergonhoso dirigentes experientes, lideranças de mandatos eletivos exercidos pelo PT, caladinhos, sob pena de receberem sobre seus ombros a mão de ferro de um projeto de ditador”. Castilho, fundador do PT, deixou o partido, recentemente, após punições impostas pela direção nacional, tem criticado recente resolução do partido em favor da pré-candidatura do senador Veneziano Vital do Rego. Confira íntegra das declarações de Castilho… 

Resolução do PT da Paraíba apresenta alinhamento em favor da candidatura de Veneziano à governador. A que custo?

Triste ver inúmeros militantes, homens e mulheres, que convivi dentro do PT (convergindo e divergindo) cabisbaixos, calados, feito plantas. Pois, se expuserem qualquer reação serão punidos e forçados a deixarem o partido ou, se ousarem permanecer na legenda, destituídos de suas funções de direção, sem qualquer direito à contraposição.

Vergonhoso vê dirigentes experientes, lideranças de mandatos eletivos exercidos pelo PT, caladinhos (ou opinando em desfavor do atual “dono” de forma privada), sob pena de receberem sobre seus ombros a mão de ferro de um projeto de ditador.

É. É doloroso atualmente está filiado ao PT da Paraíba. Infeliz constatação.

Para quem se acostumou debater sobre qualquer assunto, a condição de filiado no PT paraibano não permite mais. Os grupos internos reviravolta e Coletivo Paulo Freire foram de forma autoritária e ante estatutária destituídos de suas representações na direção estadual do partido. Tudo em nome de uma falsa unanimidade.

Eu, agora distante dos quadros do PT, mas participe do ´Movimento PT Raiz´, o qual reuni pessoas filiadas ao PT, mas também aqueles que um dia já tiveram seu vínculo àquele partido, e que ainda são simpatizantes de sua história, tentam resgatar a alegria de fazer uma campanha eleitoral, com fidelidade a opinião de que na Paraíba o melhor é a construção da Pré-Candidatura de Lula com a Pré-Candidatura de João Azevedo, com os mesmos parâmetro que o elegeu Governador em 2018.

O Movimento que, nesse último Sábado, 7, se reuniu defronte da Praça da Paz, no bairro Bancários, para assistir a transmissão do lançamento da Pré-Candidatura Lula/Alkcmim, se constituirá como um Comitê Popular. Um simples chamado, sem qual intensidade, demonstrou o quanto do prazer e da alegria se fará presente nos atos da futura campanha.

Presenciei um encontro de gerações. Revi militantes históricos, como Derly Pereira, primeiro candidato a Governador da Paraíba pelo PT, em 1982 e o jovem Chico Natércio, artista de DNA comprovado, já que carrega a responsabilidade de ser filho do combativo maestro e cordelista Bebê de Natércio, confraternizando-se em favor da esperança.

Tive a satisfação de, com a solidariedade militante, adquirir adesivos e camiseta com frases e estampas que darão o mote da campanha que se avizinha.

E o mais simbólico foi receber, no espaço físico do futuro Comitê Popular, entre tantos outros, o político João Almeida, ex-vereador de João Pessoa, policial rodoviário federal, em muitos momentos, adversário do PT, sua declaração de apoio à Pré-Candidatura de Lula.

Tudo se movimenta em favor de uma campanha ampla e pelo fato de partidos como o PCdoB, o PV, o REDE, o PSB, encontrarem-se na mesma matriz de uma campanha nacional e estadual, fico com minhas digressões do porquê dessa insistência ao isolamento dos hoje dirigentes (que tomaram de assalto) o PT paraibano. Ou seja, permanece a indagação: a que custo impõe-se a política ora defendida pelo PT-PB?

Pois bem, lembrado Geraldo Azevedo e Geraldo Vandré: “Um Rei mal coroado/não queria o amor em seu reinado/pois sabia não ia ser amado” e parafraseando Chico Buarque: “Hoje você é quem manda. Falou, tá falado. Não tem discussão…” Apesar do PT-PB, amanhã há de ser outro dia.

 

Os textos publicados nesta seção “Pensamento Plural” são de responsabilidade de seus  
Autores e não refletem, necessariamente, a opinião do Blog.