PENSAMENTO PLURAL O controverso auxílio saúda da magistratura, por Raoni Vita

Um tema tem causado polêmica, especialmente nas redes sociais, depois que o Judiciário da Paraíba instituiu o reembolso de até 5% do subsídio dos magistrados das suas despesas privadas, inclusive familiares, com planos de saúde. O assunto inspirou críticas do advogado Raoni Vita. Segundo Raoni, “neste momento de crise, causando um custo anual de até R$4,7 milhões” aos cofres públicos. Confira íntegra de comentário…

Foi publicada no DJ/TJPB desta quinta-feira uma Resolução que permite o reembolso de até 5% do subsídio dos magistrados das suas despesas privadas – e de seus familiares – com planos de saúde.

É bem verdade que o TJPB cumpriu determinação da Resolução CNJ nº 294/2019 que estabeleceu prazo para os Tribunais implementarem esse direito, o qual de fato não foi criado pelo TJ e realmente foi incorporado na esfera individual de cada membro após luta nacional da sua associação – o que pode ser legítimo numa primeira vista.

Contudo, algumas considerações precisam ser feitas.

A primeira é de ordem local, sobre a mensagem que passa esse aumento remuneratório (ou indenizatório, como queiram) neste momento de crise, causando um custo anual de até R$4,7 milhões, segundo o SINTAJ e a ASSTJE.

Não podemos esquecer que vimos recentemente a “desinstalação” de comarcas no nosso Estado sob o argumento de que ao fechar 15 delas haveria uma economia de R$2 milhões/ano. Também assistimos diariamente ao indeferimento massivo das gratuidades das custas judiciais – sendo aqui de valores desarrazoados, como já tratamos –, com a inegável mensagem arrecadatória que isso tem passado.

Conforme dito no início, sabemos que foi um direito galgado pela Magistratura nacional – cujas lutas associativas são legítimas –, mas isso não obsta (e a sociedade espera) que o assunto seja levado ao campo apropriado para discussão sobre sua adequação aos preceitos constitucionais, que é o STF.

Como sempre nossa OAB acaba dormindo em berço esplêndido e até hoje – de acordo com nossas pesquisas –, salvo melhor juízo, não ingressou com qualquer medida nesse sentido, deveria ela minimamente ingressar como amicus curiae na ADI nº 6461 que a PGR interpôs há quase 1 ano contra a referida Resolução do CNJ, combatendo esta sob o aspecto do ferimento ao respectivo regime remuneratório por subsídios, bem como da competência privativa da União dispor de lege ferenda sobre tal matéria.

Os textos publicados nesta seção “Pensamento Plural” são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, a opinião do Blog.